sábado, 28 de dezembro de 2013

e continuando ainda do Natal

Na noite de 24 para 25, a minha cabeça não parava. Era um tal pensar  em algo diferente para a volta das CCs. Sim, foram passar a noite de Natal com o Pai, mas o dia era para passar com a Mãe e de continuar, pois estavam na semana Mammy.
E de que me lembrei eu? 
De fazer um jogo de pistas, para que procurassem as suas prendas.
Quando entraram casa dentro e correm para a árvore.. começaram a correr lágrimas por aqueles lindos olhos abaixo. 
 - Mammy, as prendas? Não está cá nem uma!
 - Não? - disse eu. Humm.. se calhar foi o barulho que ouvi durante a noite. Mas, olhem. Está aqui na porta um papel para vocês.
Pois, que um duende tinha-lhes levado os presentes, porém tinha-lhes deixado um desafio. E assim estiveram entretidas a brincar, pensar e encontrar as suas prendas de Natal 
E no fim, encontraram a última lembrança. Aquela que não era para elas, mas sim delas para o N.
Foi giro. Foi diferente. Elas, amaram.
E por aí? Houve algo de diferente?

do Natal

do Natal que não escrevi mas que ainda vou a tempo de o fazer.
Eu, adoro o Natal. Adoro o seu simbolismo. Conheço o porquê de se celebrar o Natal e vivo-o. O Natal não é de todo, o trocar as prendas, nem apenas a festa da família. É-o, sim, pois representa um nascimento. No fundo, é o aniversário de Alguém que é, para quem nele crê, a razão da família. E sim, entendo as prendas que se dão e percebo o seu simbolismo. Afinal, quando alguém faz anos, oferece-se algo. Não entendo nem embarco, no consumo completamente tonto e embriagado em que muitos embarcam.
O Natal, e tudo o que à volta dele gira, não pára, para mim e para a minha família, ali pelas imediações do dia 24. 
O Natal, para mim, começa bem mais cedo. Começa de forma a que pelo Advento possa existir já uma preparação para o viver.O Advento é a preparação, a chegada de e para o Natal. E é assim que é. E é assim que para mim tem de ser.
E quando chega o 24, reúne-se a família, e os amigos são, também, a família que escolhemos, e festeja-se à volta da mesa. As crianças abrem os presentes e tudo se repete a 25.
Já somos é poucos. E disso, sim. Disso tenho saudades. Isso era o verdadeiro Natal.
Quando éramos muitos, mas muitos mesmo, todos à volta da mesa. 3 gerações reunidas. Muita festa. Muita alegria.
Mas a vida assim me encaminhou e como filha única que sou e com tios e primos distantes, sobro eu e os meus pais, mais as pequenas, no dia em que comigo estão.
E esta é e esta foi, uma parte deste meu Natal.

domingo, 22 de dezembro de 2013

Domingo de "mapling"

Foi uma tarde de domingo inteira, de baixo das mantas, sentados no sofá a ver televisão.
O verdadeiro "mapling".


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

sábado, 14 de dezembro de 2013

Bom sábado

Hoje, acordei com vontade de passar por aqui. 
Tenho andado muito afastada dos blogs, ou melhor, de os comentar e de me organizar no meio deles, mas sinto-lhes ou senti-vos (se é que ainda me vêm cá ler) a falta. Sim, porque ler, lá vou andando a saltitar entre alguns de vós e lendo as vossas novidades.
 A verdade é que não sei bem o que vos escrever. Ou se calhar tenho tanto para dizer e pouca vontade de o fazer. Não sei!
Pouco mudou nestes últimos tempos comigo, pelo que iria repetir-me. 
Continuo, e agora um pouco mais activa, a fazer as minhas peças de artesanato e a tentar escoá-las. :) Sempre ajuda para a prendinha de Natal para as princesas. Ou pelo menos é um esforço para tal.

Por falar nisso, já não sei se alguma vez por aqui falei do Trap&Manhas e das minhas peças feitas à mão. Se não falei, falo agora. 
Já agora, vão até lá e vejam. Podem dizer de vossa justiça, gostar, ou não e partilhar se assim entenderem.
Não era este o propósito deste post, mas calhou e agora aqui fica.



Como a ideia era desejar-vos um bom sábado, bom sábado com Trap&Manhas


segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

sorte

É ter connosco alguém sem filhos, mas que nos adopta a todas como suas.
Alguém que sofre, como uma mãe ou um pai.
Alguém que respeita, como uma mãe ou um pai.
Alguém que dá mimos, como uma mãe ou um pai.
Alguém que por vezes é rejeitado, como uma mãe ou um pai,
E que mesmo assim, não desiste com a primeira dificuldade.
Fácil? A mim, não me parece nada. Penso muitas vezes se eu, pessoalmente, conseguiria ter esta capacidade. Mas há quem a tenha. E isso, para mim, é sorte.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Judas vs Jesus

"Para que não te iludas com amigos,
Pensa nisto:
Foi com um beijo que Judas
Levou à cruz Jesus Cristo"

Desde que conheço esta quadra, de um poeta popular que mal sabia escrever, mas sabia bem as várias surpresas da vida, que nunca mais o abandonei. Quer nas palavras, quer no profundo significado do mesmo. Apesar de não andar com estas palavras sempre vivas na mente, sei bem que lá estão e que por vezes se revelam como, infelizmente, muito verdadeiras. 
Tenho e posso-o dizer à boca cheia, que tenho, daqueles amigos que são "a família que nós escolhemos". 
Mas, também, acreditem que não sou família numerosa, mas sou ou tenho, família "deliciosa". O resto, são amigos, conhecidos, pessoas que até admiro bastante, amigos semi-virtuais que por aqui se formam, mas que não se iriam, por certo, incomodar assim tanto, em me dar "um beijo". 
Dão de cada vez que me vêem, em cada palavra escrita. 
Somo todos grandes compinchas e amigos, vamos p'rós copos todos juntos, mas, a partir do momento em que vos topo, mantenho-me lá, sempre, mas com uma defesa que dificilmente me tiram. 
Eu sei beber à mesa com o amigo e com o inimigo, mas o que bebo com cada um deles, é muito diferente.

Por isso, cada um que me queira beijar, força, mas pense primeiro se será um Judas, porque eu quando me pisam os calos, de Jesus, não tenho nada.

Este texto escrevi-o há tempos no facebook. Achei piada pois foi daqueles em que, a maioria que por norma "lika" tudo e mais alguma coisa, neste não meteu like nenhum. Acredito que tenha lido, pois as coisas dos "amigos comuns" aparecem quase sempre. 
Perante isto, fica-me a dúvida se não terei assim tantos Judas na minha vida que se identificaram. Será?

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

às compras

Estou aqui no vestiário a experimentar umas calças. Ao lado, uma senhora está a experimentar, também, pelos vistos, umas calças e a falar ao telefone com uma amiga:
".... pois, mas eu até gosto muito das verdes com flores estampadas, mas o problema é que são muito óbvias e depois todas as pessoas vão perceber que as comprei aqui. Não quero que se saiba, percebes?!"
Eu até limpei os ouvidos a ver se estava a entender bem. Vesti-me rapidamente só para ver a cara da criatura. Espantem-se, ou não, para estar com esta conversa.  Tem um ar mais normal que eu e a roupa que tem vestida em nada tem aspecto grif. Parece daquelas moças que nasceram nas palhas e aspiram a ouro. Mas não conseguem passar do alumínio. E o alumínio está bem cotado no mercado.
Amiga, não é o que vestimos que nos faz parecer de outra carpete, mas sim como vestimos e a nossa atitude perante o que está vestido e o mundo.
E ficam a saber que, andam por aí umas calças verdes estampadas, por sinal bem giras, a fingirem que são de uma qualquer marca carérrima, mesmo que valha nada. 
Ah, e as minhas pretas. Tudo by Mo. A marca do Continente. (passo a publicidade).
Ele há com cada croma. Cresçam. 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

A segurança social, só dá alegrias ao pessoal

Logo pela manhã, após a chegada do carteiro, é que se começa bem o dia.
Pois que, como sabem muitos de vós, foram retirados 6% ao subsídio de desemprego. Sim e tiraram a isto e àquilo e aquel'outro também.
Mais uma vez, claro que não basta estarmos desempregados ainda levamos um mimo. Mas ok, adiante com isso que disto já todos sabemos.
Pois que os 6% entraram em vigor a 25 Julho 2013. Então as criaturas da Segurança Social, em vez de começarem logo a efectivar a coisa, não. Foram uns queriduchos e foram pagando o subsídio ainda com os tais 6% da minha vida. - Devia ser para ajudar a malta a ir p'ás caraíbas ali de Caxias.
Agora, bom, agora resolveram mandar cartinhas para a malta, pagando os devidos portes de correio registado e com uma mensagem super ternurenta para o pessoal. 
Enviam os detalhes dos débitos correspondentes às prestações pagas indevidamente, com o valor a mais, os tais 6%  e dizem, muito calorosamente, a bold, não vá a malta não ler, "Deve devolver o referido valor à Segurança Social, no prazo de 30 dias a contar da data de receção deste ofício".
São, ou não são, uns doces? Andaram 66 dias a pagar a mais ao pessoal e agora em 30 querem a dita devolução do guito. Ai, ai. Não precisavam de ser tão carinhosos. Não mereço tanto.
Mas são amigos. Dizem que, se não puder pagar de imediato a totalidade da dívida (..ai eu é que ainda por cima tenho uma dívida!), pode solicitar o pagamento em prestações mensais, (...). E que tal vocês próprios darem-se ao trabalho de fazerem esses acertos mensais nas prestações de subsídios desemprego? Não? Assim não funciona?Ãh! 
Espera. Funciona.
Dizem os meus amigos mais à frente: "Na falta de resposta ou pagamento voluntário (gosto do voluntário - está na moda ser voluntário) nos prazos indicados, vamos proceder à dedução mensal nas prestações (3) a que tenha direito ou (e não sei porquê, mas cheira-me que seria o "ou" a funcionar) à respetiva cobrança coerciva em processo de execução fiscal"
Éh pah, eu até gosto de voluntariado e de não deixar o pais mal e de pagar o que, pelos vistos, devo. Olha, toca a pagar.

Se fossem mas é todos p'ó....

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

enquanto a ganache arrefece

venho até aqui dar-vos conta de que hoje, à sete anos atrás, estava com algumas dores, porém quase a ficar bastante "aliviada". É. A sensação que tive em ambos os nascimentos das minhas filhas, foi de "aliviada".

Faz hoje 7 anos que nasceu uma menina doce, doce como só ela. Foi numa manhã de sábado. É doce por dentro e por fora.  Foi um anjo ternurento que veio para ao pé de nós. Foi a minha aposta em que a sua irmã, um dia mais tarde, não ficasse só.
Recordo, ainda bem presente, aqueles dois pezinhos encorrilhados e arroxeados que colocaram em cima da minha barriga. Recordo, perfeitamente, o cheiro dela e o que perfumava os momentos em que em mim se enroscava e mamava.
Bebé bolachudo e muito calmo. Sempre adorou colo e adora. Sente-se feliz enroscada em nós. É uma pessoa de toque. Muito atenta aos outros e de uma teimosia que mete dó. 
Consegue levar as pessoas pela sua forma dengosa de ser.
Foi mais um milagre na minha vida, que hoje e com tudo o que temos percorrido, é um amparo e um porto de abrigo.
Amo-te muito, meu doce peque.

Bom, agora vou ver se a ganache já arrefeceu.


quarta-feira, 2 de outubro de 2013

[é. gostava]

Gostava tanto que as minhas princesinhas fossem como os filhos das outras bloggers, que vejo por estas bandas.
Sempre muito bem comportadas, muito educadas, sem fazerem asneiras, lindas de morrer, uns anjinhos invejáveis.
pois, mas as minhas não são assim. desesperam-me as manhãs, enlouquecem-me os jantares e endoidecem-me com as respostas sempre prontas e mal-criadas que têm. Não são assim obedientes e sempre na linha. Nem sempre têm o cabelo alinhado e penteadinho e por vezes a escova dos dentes não chega a cumprimentar os seus amigos dentinhos. 
Atrás destas boas-ventura todas, anda uma mãe sempre a refilar que nem uma velha, com o coração a mil e sempre a cantar ópera. Uma animação das 7:00 às 21:30.
Pois. Gostava. É. Gostava. mas as minhas princesas, não são como os filhos de todos os outros blogs.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

e no último dia de Setembro

Gostava de gostar, mas não consigo. Há aquelas frases que se ouvem e que acabam por se tornar verdades. Não se esforça a gostar de nada. Ou se gosta, ou não se gosta. 
Mas também há quem diga que, se aprende a gostar. 
Caramba. Devo ser muito diferente. Tento gostar e não consigo. Pior, acho que já gostei mais que agora.
Fico irritada. Sinto-me irritada. Triste, talvez. Mas que fazer? Tento, mas não muda nada.

sábado, 28 de setembro de 2013

Eleições Autárquicas

Autárquicas, autarquias e afins 
É já amanhã. 

Apesar da bela treta em que este país anda e de, muito sinceramente, achar que a merda é toda a mesma, as moscas é que mudam, para as autárquicas acho que sei em quem vou votar. Isto se, conseguir descobrir onde vou votar. O número de eleitor, já tenho. Mas falta-me o local. Ou melhor, falta-me saber, exactamente, se o local se mantém o mesmo das últimas eleições, que já foi outro diferente do anterior onde sempre votei. Complicado?! Modernices que vieram agarradas ao cartão de cidadão. 

N.B.: Não vou ser presa por estar a escrever este post agora, a horas das eleições. Pois não?? 

Bom sábado

Bom dia meus amigos lindos.
Temos tido, nestes dois últimos dias, um belo começo de outono. Faz parte, certo? 
Claro que sei que é incomodativo, é. 
No verão, os dias são lindos. São muito mais agradáveis, são.
Não me batam muito, mas eu adoro trovoada. 
Sou fã! (claro que não precisa estar a chover, mas!)


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Welcome outono


Aproximo-me da janela. 
Vejo o bailar das gotas da chuva a caírem sobre a terra seca. Cada gota que cai, faz um efeito de liberdade dos grãos de terra, aprisionados pelo calor. 
Fico a apreciar a natureza......

...e vejo as put@s das ervas daninhas a rirem para mim e a crescerem que nem loucas! Rais-partam-as-ervas-que-vão-voltar-em-força. 
Welcome outono, à séria!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

das férias das aulas

As aulas já regressaram e as férias já passaram.
agora, enquanto as filhas estão em aulas, a mãe passa para as férias. mais ou menos.
o que quero mesmo dizer é que, férias com os filhos cansam mais do que descansam. 
agora, enquanto estão pelas aulas a mãe aproveita para descansar um pouco, entre trabalhos e tarefas, mas aguardando sempre com alguma ansiedade a hora do toque.
Cansam; fazem bagunça; portam-se mal, mas deixam saudades.

E convosco, também sentem que dá algum cansaço as férias?

sábado, 7 de setembro de 2013

hoje, estou assim


“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. 
Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.”

(Antoine de Saint-Exupéry)



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Se calhar é moda e eu não sei

Ver Paula Bobone, a senhora chiqu-e-brega de Portugal, às compras no Continente, de leggings e com uns cuecões à velha (ok, próprios da idade) escuros, que saltavam às vistas por baixo do branco das leggings... se calhar é moda e eu não sei.

domingo, 25 de agosto de 2013

Vamos lá chamar os bois pelos cornos.

Fiquei a saber, depois de receber tanta promoção por mail, que tenho andado estes anos a fazer epilação e a chamar-lhe depilação.
Sou mesmo bronca.

Vamos lá chamar os bois pelos cornos.


(Epilação é quando ocorre a remoção por extração dos pêlos inteiros incluindo as porções abaixo da pele, como parte do bulbo piloso. Ex: pinças, ceras, aparelhos elétricos que arrancam os pêlos, laser, luz intensa pulsada, eletrólise.  Depilação é a remoção de pêlos rente à superfície da pele não sendo atingido as porções internas dos folículos pilosos)

sábado, 24 de agosto de 2013

[soube-me a...]

No final das férias com crianças, precisamos novamente de férias, mesmo estando-se no desemprego como eu. É uma estafa e uma canseira que não lembra.
Estivemos de férias. Eu, as princesas e o namorado. Tudo "enfiado" em casa ou por casa ou por algures onde íamos sempre acabar em casa. Não contentes com isso, namorado fica doente nesta última semana. logo o estar em casa tornou-se ainda mais real.
Ontem, sexta, as princesas foram para o pai, namorado vai tocar e eu senti uma vontade enorme de fazer aquilo que gosto e me dá prazer. Ir para a folia com os amigos. E lá fui. Foi até às quinhentas. Mas até às quinhentas mesmo. Muito giro. Claro que hoje estava com os meus ossinhos com ar de "amanhã de manhã". Mas ok, a coisa fez-se.
E digo mais. Fez-se e fez-se muito bem. Fiquei em casa e por casa todo o dia. Mas como namorado foi tocar de novo, fiquei grande parte do dia por casa e  S O Z I N H A. Tomei um banho que soube pela vida. Estive sentada / deitada no sofá a procrastinar o que eventualmente deveria fazer. Fiz o meu jantar e jantei sozinha. fiz o que quis, vi a televisão que me apeteceu, comi o que me deu na "real-gana" e senti-me tão, mas tão bem.
Eu gosto muito destes meus momentos sozinha. Eu não gosto, eu amo. E reparem que não fiz absolutamente nada. Soube-me aos momentos pós separação em que me senti tão livre que nunca pensei fosse possível.
E sim, acho que descansei um pouco, pois após férias com miúdos, precisamos de novo de férias. 
E o dia de hoje, soube-me a doce.

Nem sou muito dada a isto, mas hoje apetecia-me


domingo, 18 de agosto de 2013

amiga Judite, olha tem um bom domingo

Não vou falar da entrevista da Judite de Sousa ao jovem milionário, até porque não vi a entrevista, confesso que não conhecia o Lorenzo. Acho que já está tudo falado e bem falado. Pelo que já li pelo mundo "internautico" foi um verdadeiro tiro nos pés que a senhora deu. Deve estar com os calos todos lixados.
Assim vou apenas desejar um excelente domingo a todos os meus amigos leitores.

Sejam felizes e aproveitem bem o dia. <3 p="">

sábado, 17 de agosto de 2013

horas trocadas

ando pior que os putos. ou que os velhos. se me acordam de noite, é uma desgraça para conseguir adormecer de novo.
hoje, eram 5 da manhã acordaram-me. já não consegui adormecer. la me levantei depois de muitas voltas. às 7h estava na padaria, tomei o meu pequeno almoço armada em lorde, comprei pão e vim para casa ver tv e computador.
acabei por adormecer no sofá, lá para as 8 e muito. dormi ferrada até às 10:30, ou seja, até agora. 
isto não é normal. isto não é suposto eu acordar e não conseguir voltar a adormecer, que a cabeça anda sempre às voltas e o corpo acompanha.
isto de horas trocadas, custa muito. que hei-de eu fazer? que se passa?
ai... tenho sono!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

perdi um membro

Éramos 55, agora somos 54. Perdi um membro! :)

E já agora, andamos de férias por terras onde o Prince esteve na quarta-feira. Estamos onde?

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

o cheiro dos livros

Gosto de livros e do seu cheiro.

Gosto de estar num espaço onde hajam livros e desfolhá-los. Gosto de livros e do seu cheiro. Não sou grande leitora, mas gosto de sentir as dedos a passar pelas folhas. Gosto de livros. Gosto do seu cheiro. Por isso, não gosto muito de e-books. Falta-lhes qualquer coisa mais pessoal. 
Enquanto faço as compras nos hipermercados, gosto de ler os livros que lá estão. Fixo a página onde fiquei e numa próxima vez, retomo. Aqueles livros que gosto, mas não acho que deva gastar o dinheiro que custam. Normalmente, pequenos. De fácil leitura. Gosto de livros. Vou aos correios e desfolho-os. Vou ao supermercado e desfolho-os. Vou às livrarias e desfolho-os. 
Não sou grande leitora, mas gosto de livros. Ah! e gosto do seu cheiro.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

[lágrima]

Quando corre uma lágrima sentida, por se deixar um espaço no qual tanto nos divertimos, mesmo que apenas, por uma semana, é comovente e gratificante.
Foi essa lágrima que correu, quando fui buscar as C's ao ATL, onde passaram uma semana. Dos olhos grandes da mais velha, foi daí que caiu a lágrima.
Valeu o esforço de mãe, para que lá estivessem. Valeu os olhares de quem gosta de comentar, o facto de as colocar em local onde tenham um pouco de crescimento, quando no fundo, poderia estar com elas.
Deu forças para enfrentar olhares e para arranjar mais oportunidades de, para o ano voltar. Vou tentar, amores.
"Mammy, se conseguires, podes meter-me de novo para o ano neste local? Gostei tanto." e a lágrima doce caia pelo seu rosto iluminado de felicidade. Vou tentar, amor.
É bom. 
És de um carinho camuflado que enche muito quem tem a oportunidade de o sentir. És muito profunda, disfarçado por essa "infragilidade" que apresentas. És um amor na minha vida.

sábado, 3 de agosto de 2013

ai...

...tenho sono.
Volto já.


eu e as minhas questões

Quando dizem que um casamento sem filhos, é como um jardim sem flores, que acontece ao jardim, quando depois de haver das flores, o casamento se desfaz?

quarta-feira, 24 de julho de 2013

passatempo Saber Viver / Caudalie

Não tenho por hábito concorrer a muitos passatempos, não por nada, mas apenas porque nunca tenho muita sorte em ganhar nada. Depois, quando vejo as pessoas que ganham, penso por vezes, oh! pah! porque é que não concorri?
Desta vez, resolvi arriscar a sorte e concorrer. até porque adoro estes produtos da Caudalie, mas que, quer depois que me separei quer principalmente depois que fiquei desempregada, passei a usar produtos mais acessíveis. Bons também, claro. Tento sempre adaptar o mais acessível financeiramente, à qualidade.
Assim, logo que vi este passatempo no Saber Viver, no Sapo Mulher, resolvi chegar-me à frente e tentar a sorte.
Agora.... aguardo até me esquecer pelo resultado



terça-feira, 23 de julho de 2013

#explicação

#alguémmepodeexplicaroqueraiosignificaestaescritatodajuntaecomum#noinício?

É que eu não sei e vejo isto por todo o lado.

Tradução em escrita "normal":
Alguém me pode explicar o que raio significa esta escrita toda junta e com um # no início?

PP aka Paulo Portas

É de mim, ou Paulo Portas sabe mais a dormir que esta malta toda acordada?
Ah e tal e vou embora e faço birra e o caraças, mas afinal fica por lá e com mais "confiança" por parte do governo?

segunda-feira, 22 de julho de 2013

vou ser um blog modernaço

A Kate deu à luz um rapaz!
E pronto, deve ser mais ou menos isto que paira pela blogosfera por estas horas

sexta-feira, 19 de julho de 2013

[insónia]

O silêncio da noite pode ser um inimigo, quando apenas permite que as fantasias da nossa mente, sejam aqueles fantasmas guardados e fechados naquele armário esquecido em um canto nos anexos.
Vagueias pela escuridão, onde cada luz é um foco potente que fere o descanso e lentamente vai despertando a consciência.
Por aqueles momentos, vais ferindo a doçura dos dias, com lanças aguçadas. Vão-se espetando e magoando de forma cirúrgica, o teu descanso. Despertas a consciência, mas aquela que não queres despertar, aquela que resolveste e guardaste, no tal armário ao canto, nos anexos. Tentas a todo o esforço fechar de novo a porta e voltar aos teus dias, ao teu sono reconfortante. Mas as dobradiças rangem e emitem um ruído que te continua a incomodar. 
Sentes a tarefa como, não sucedida. O silêncio da noite, pode, de facto, ser o maior inimigo. Já cansado da luta, rendes-te ao sono que sempre lá esteve e a quem não deixavas dar, a paz que precisa. 
Tomas um chá! O chá solidário com a tua solidão. Esforças por abstrair a mente da realidade em que ela própria se colocou. E ao final de um tempo, nesta caminhada, descansas. E tomas consciência de que és, também, fraco, nos momentos em que os fantasmas teimam em fugir.
E fogem pela noite, pelo silêncio da noite.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

tenho fome

apeteciam-me tanto uns pastelinhos de massa tenra com arroz!
mas não tenho, nem sei fazer. acho que vou comer o que por aí há.


quarta-feira, 17 de julho de 2013

Quero a minha doçura, nem que seja só

O ódio, é a arma do fraco. E o fraco, vive, na maioria das suas horas, amargurado.
Pode-se conseguir apreciar o cheiro da vida, sentindo-lhe a doçura.
Adoçar a vida, leva-nos mais longe, do que amargá-la.
Quero a minha doçura, nem que seja só.

terça-feira, 16 de julho de 2013

é muito tristinho!

Isto de ir ao aeroporto levar pessoas para irem de viagem e nós, a única viagem ser de regresso a casa, é algo muito triste.
Que saudades de embarcar naquelas coisas que voam e que nos levam para outros destinos.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

não perderam o sonho e lutam por ele. bem-hajam

A igreja da terra onde vivo, ainda é, uma igreja pré-fabricada, comprada em segunda mão e implementada provisoriamente, há 40 anos. Mais precisamente 42.
Após anos de várias lutas, sonhos megalómanos, encontros e desencontros e principalmente de falta de dinheiro, mas da coragem de uns quantos, ainda lutadores, conseguiu-se (ou deveria dizer, conseguiram) construir parte de um projecto que irá servir a comunidade. Um centro social, no qual, nesta primeira fase de projecto, terá um salão polivalente, o qual irá servir de igreja "temporária" até a nova igreja se erguer.
E ontem, foi a festa de despedida da igreja velhinha. Uma festa simples, tal como a própria igreja, mas cheia de sentir.
Foi aqui, nesta igreja, que tal como eu, muitos cresceram e viveram. Foi aqui que comecei a namorar, que casei (não fisicamente naquele lugar), que me zanguei, que perdi, que cresci espiritualmente, que ganhei, que trabalhei, que cantei, que aprendi, que chorei, mas principalmente, que fiz os amigos que hoje em dia ainda tenho. E são esses mesmos amigos, os que há cerca de 35 anos atrás conheci e cresci, fisicamente e espiritualmente, com eles, que ainda hoje em dia fazem parte dos meus números favoritos do telemóvel.
Esta pequena capela acolheu tantos sonhos de jovem e viu realizados tantos outros. Esta pequena capela tem, uma carga sentimental grande para cada  um dos que constituem esta igreja. E ontem, na festa de despedida, tal foi sentido.
Foi muito gratificante ter lá ido. Foi muito gratificante, ter lá ficado.
E é aqui, nesta igreja, já não tanto nesta pequena capela, que eu gostava que as minhas pequenas tivessem o mesmo crescimento feliz, que eu (e também o pai) tivemos. É aqui que andam e espero ser por aqui que continuem.
Bem-haja a todos os que não perderam o sonho e que lutaram por ele.

sábado, 13 de julho de 2013

então e

ao fim de semana o que fazem?
Eu percebo que durante a semana, a malta trabalha [quem ainda tem essa felicidade]. Mas ao fim de semana, o que é que por norma fazem? E não falo à noite, na ramboia. Falo durante o dia.
Esta vidinha é uma bela pasmaceira. Estou a ficar preocupada.

Perdoo, mas não esqueço

Diz-se e digo-o, muitas vezes, eu perdoo, mas não esqueço.
E fico a pensar para com os meus botões, posteriormente, se não será esta apenas uma vontade esfarrapada de atenuar as coisas. Isto porque, quando começo a escalpelizar a frase e as suas palavras, surge-me a dúvida, como é que eu não esqueço mas digo que perdoo? com o tempo, com o passar do tempo, outros pensamentos e situações invadem a cabeça e o esquecer ou não, vai-se atenuando. Mas sempre que algo surge, lá aparece o pensamento. Estará ele perdoado?
Como não esquecendo, perdoo.

terça-feira, 9 de julho de 2013

em modo interrogativo

Não sei se me sinto triste, se feliz. Se realizada, se frustrada. Se pensativa, se desanuviada.
Acho que é mesmo um misto de tudo. Mas uma ideia de perda na realização.
Bom, depois vê-se afinal qual o sentimento

quinta-feira, 4 de julho de 2013

o tuga aguenta

Ora que começamos numa crise económica, seguimos para uma crise social e agora, cá estamos, numa crise política.
Qual será a próxima crise? uma crise de rins?

[coisas que tenho pena]

Nós, por aqui, distinguimos feira de praça. (pelo menos nos meus tempos de colégio, era assim)
Feira é aquela que tem roupas e mais um manancial de coisas para vender. Tudo da moda, dona!
Praça, é aquela onde se vendem os legumes, frutas, queijos, pão, bolos etc.
E hoje, fui à feira e à praça.
Adoro andar na praça. Comprar os legumes e as frutas com um ar fresquinho e cheiroso. Não sei bem se em termos monetários, compensa, mas em termos de alegria na compra, a mim compensa. E lá andei eu, a encher a cesta, que tinha adquirido momentos antes, na feira. 
E é daqui, da feira, que há coisas que tenho pena. Tenho pena de não conseguir ter queda ou tendência ou se calhar, paciência, para lá andar a ver, a remexer, a procurar, a regatear, a comprar. Safo-me muito mal. É quase como quando chega a altura dos saldos. É muito raro safar-me. Não consigo ver nada que goste. Irrita-me ter de remexer um monte de roupa, juntamente com um monte de gente. 
Isto tudo, para não falar da alergia com que saio de lá.
Mas tenho pena, pois é ver as "senhoras-tias-dondocas" a encherem-se, a elas e aos filhos. Ele é roupa, carteiras, colares, brincos, ténis, sei lá. É tudo. 
E depois? Depois vê-mo-las na rua, a passearem-se todas presunçosas, como se tivessem ido à Loja das Meias. 
Mas eu não consigo. E tenho tanta pena. Acreditem. Poupava muitos trocos, por certo.
Mas na praça? na praça passo horas a ver, cheirar e comprar. Gosto muito de lá ir.

O medo do Amor

Este texto de Martha Medeiros, diz tudo. Pelo menos, aos que já atravessaram este caminho, sabem "o medo do Amor".


Medo de amar? Parece absurdo, com tantos outros medos que temos que enfrentar: medo da violência, medo da inadimplência, e a não menos temida solidão, que é o que nos faz buscar relacionamentos. Mas absurdo ou não, o medo de amar se instala entre as nossas vértebras e a gente sabe por quê. 

O amor, tão nobre, tão denso, tão intenso, acaba. Rasga a gente por dentro, faz um corte profundo que vai do peito até a virilha, o amor se encerra bruscamente porque de repente uma terceira pessoa surgiu ou simplesmente porque não há mais interesse ou atração, sei lá, vá saber o que interrompe um sentimento, é mistério indecifrável. Mas o amor termina, mal-agradecido, termina, e termina só de um lado, nunca se encerra em dois corações ao mesmo tempo, desacelera um antes do outro, e vai um pouco de dor pra cada canto. Dói em quem tomou a iniciativa de romper, porque romper não é fácil, quebrar rotinas é sempre traumático. Além do amor existe a amizade que permanece e a presença com que se acostuma, romper um amor não é bobagem, é fato de grande responsabilidade, é uma ferida que se abre no corpo do outro, no afeto do outro, e em si próprio, ainda que com menos gravidade. 

E ter o amor rejeitado, nem se fala, é fratura exposta, definhamos em público, encolhemos a alma, quase desejamos uma violência qualquer vinda da rua para esquecermos dessa violência vinda do tempo gasto e vivido, esse assalto em que nos roubaram tudo, o amor e o que vem com ele, confiança e estabilidade. Sem o amor, nada resta, a crença se desfaz, o romantismo perde o sentido, músicas idiotas nos fazem chorar dentro do carro. 

Passa a dor do amor, vem a trégua, o coração limpo de novo, os olhos novamente secos, a boca vazia. Nada de bom está acontecendo, mas também nada de ruim. Um novo amor? Nem pensar. Medo, respondemos. 

Que corajosos somos nós, que apesar de um medo tão justificado, amamos outra vez e todas as vezes que o amor nos chama, fingindo um pouco de resistência mas sabendo que para sempre é impossível recusá-lo.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

aberta as apostas


Apostar, por ordem, quem se vai demitindo.

A saber para apostar bem - tensão arterial.
Acho que os senhores não aguentam o calor.

terça-feira, 2 de julho de 2013

sai Gaspar, entra Albuquerque

É a verdadeira swap entre Gaspar e Albuquerque.
Gaspar, diz ter sido inevitável a sua saída, atendendo, também, à falta de credibilidade. Entra então, Maria Luísa Albuquerque. E pergunto eu: "e esta senhora, atendendo à sua envolvente toda, tem credibilidade?" Diria que, estamos perante um downsizing político e ainda envolvido em especulação.
Eu, que não percebo nadinha de política, só me pergunto: isto não é assim tipo um face lifting apenas? Estou para ver se não se irá manter a mesma base de política, ou politiquice, mudando apenas a cara. Talvez um pouco mais laroca. Mas o âmago, o mesmo.
Então agora, faltam os outros todos, os mosqueteiros do governo, os que restam, os nove-fora-nada - Portas & Relvas.
Aconselho Gaspar a não ir para a fila do Centro de Emprego. Acho que tem entrada directa no Instituto de Meteorologia. Com as previsões que ele faz, só são mesmo superadas, por vezes, pela meteorologia. Dá-lhe Gaspar, a adivinhar o tempo, mas arranja lá sol p'ra malta.

A verdade, é que não estou mesmo a ver, quem para substituir este elenco que para ali anda.

domingo, 30 de junho de 2013

bom domingo

Com estes maravilhosos dias e noites de verão quem se têm feito sentir nos últimos dias, a vontade de aproveitar tudo, tudo, leva por vezes a algum caos de organização. 
E quando se vai a ver, fica-se no fresco, ou deverei dizer, no menos quente, cantinho da casa. 
As praias estão cheias, de gente e de calor também. Os passeios, rebentam de pessoas com coragem de enfrentar o sol abrasador. 
Por aqui? Bem, por aqui estou sossegada, a ver TV, ler um livro, passar os olhos pelos blogs e a aguardar, não que o calor passe, mas sim, que o sol baixe um pouco mais.

Mas gosto muito, muito mesmo deste calor, deste sol, deste não-saber-para-onde-ir-com-menos-calor. 
A D O R O!

Mas já agora, se alguém me quiser levar até aqui, vou já. :)



Excelente domingo

sábado, 29 de junho de 2013

[por vezes]

por vezes sinto-me uma verdadeira adolescente, a aproveitar cada hormona que se faz sentir,
por vezes sinto que, se calhar, o tempo de assim ser, deveria ter já passado;
por vezes acho que, a minha vida não tendo sido vivida "ao contrário", tem sido, no entanto, vivida com uma ordem um pouco particular, quase aleatória;
por vezes acho que, quem não consegue sentir esta liberdade de espírito, mesmo perante tanta incerteza e tanta dificuldade, me lança o olhar da inveja;
por vezes acerto, nos que me acompanham nesta vida locca, mostrando que, afinal não sou só eu. muitos outros têm as suas nonsense actitudes, aos olhos de uma suposta sociedade que nos quer certinhos e direitinhos;
por vezes, sinto o cansaço no outro dia abandonado pelo vigor de momentos;
por vezes, penso que não sei bem se estou certa ou muito errada. mas por vezes sei que, finalmente me sinto a viver o meu EU.
por vezes, adormeço com o meu riso profundo ou a minha lágrima sentida;
por vezes...temos tantas coisas, por vezes. 

quinta-feira, 27 de junho de 2013

esclarecimento, pff

Hoje é dia de greve geral, ou é dia feriado?
É que as praias estão a rebentar pelas costuras.
Ou terão marcado férias forçadas em todo o Portugal?

terça-feira, 25 de junho de 2013

bom dia

Hoje está um dia tão, mas tão maravilhoso, que até me faz sentir a "miúda" mais linda do planeta.
Bom dia para todos e aproveitem, da melhor forma que consigam, este(s) dia(s) de verão.
Bjs 
(até a cor da letra do blog está diferente, hoje)

domingo, 23 de junho de 2013

olhó-perigeu lunar

Agora que o verão já começou, tendo-se dado o solstício de verão, tendo dado origem também ao maior dia do ano. Daí para a frente, é como as finanças, sempre a diminuir. Isto tudo, dia 21 de junho
E hoje, dia 23 de junho, vamos ter um fenómeno em que a lua, ficará maior e mais brilhante do que normalmente uma comum lua cheia. Será hoje, o grande encontro. Aquele em que a Terra e a Lua estarão mais próximas uma da outra durante todo o 2013. Parece que por volta das 20h00, a boa da Lua estar no momento mais próximo da terra possível.
Para quem gosta de fotos, diz que a altura mais bonita, é quando a lua começa a aparecer na linha do horizonte, pelas 18h15. ou seja, está quase.
Eu, para além de respeitar e gostar muito da Lua, acho estes fenómenos o máximo. Vou já tratar de ir ver o que se passa com a minha amiga Lua.


D'o reis

Aqui na zona onde vivo, há uma série de churrasqueiras de take away, tal como há em todo e qualquer lugarejo.
Mas há cá um que gosto muito. É o Reis.
As batatas são "deciliosas", como diria a cassula lá de casa; as aves no churrasco , vulgus, frango, saborosos; as azeitonas, bem temperadas e a restante comida, todinha um espectáculo.
Mas isto é uma mina. O que tem muitos pontos positivos, como seja a rotatividade da comida, o lucro para os donos e comércio local e etc.
Mas tem um raio de um ponto muito negativo. Os tempos de espera. Ah! E o cheiro com que se sai.
Acho que se consegue esperar mais aqui, que nas urgências do hospital.
Tem dias

[?*?]

Tenho fome, mas não sei o que fazer para o almoço. 
Fazer para o almoço? Espera, não me apetece fazer nada nem mexer uma palhinha.
Alguma sugestão? Não?
Então acho que vai de ave no churrasco.

sábado, 22 de junho de 2013

[rescaldo] - Aos meus amigos

e como rescaldo do post e dia de ontem, aqui fica um pequeno, simples e pouco estruturado rascunho do que foi o sentir de ontem para mim.

Amigos,
Acho que consegui responder a todos. Se alguém falhou, desculpem-me. 
Ontem, o telefone não parou. Fixo e móvel; no mail eram só envelopes a chegar, alguns dos Sr do Continente, que sabe sempre quando faço anos :D ;e as notificações no FB foram mais que muitas. Um corropio de tentativa de resposta e agradecimento a todos, que teve de ficar em suspenso a meio do dia, por interrupção pela chegada dos que nos querem. 
Todos vocês ajudaram o meu dia de ontem a ser melhor. E eu, a sentir-me mais especial. O dia, foi maioritariamente passado com as minhas princesas, às quais se foram juntando AMIGOS e AMIGUINHOS.
 A tarde passou-se e chegou a hora do jantar. Pois que ontem, para festejar os 42, fui fazer uma festa no McDonald's. Foi a alegria total, principalmente da pequenada. "Oh mammy, mas tu com 42 é que vais fazer a festa no Mc? És mesmo maluka!" 
Sem me lembrar mais de bolos, as amigas não deixaram essa gafe passar em vão. Afinal, as crianças estavam em pulgas para me ver a apagar as velas e elas próprias apagarem. 
Ora pois que tive direito a bolo de aniversário com o Pateta (Goofy) e tudo. Por sinal, o meu personagem preferido da Disney. Sorte.

E a noite prolongou-se, entre conversas e muita risada. Tremoços e batatas fritas. Muito gozo e assuntos sérios. Chamar à realidade, dar coragem e lembrar que estamos sempre ao lado uns dos outros, mesmo que não nos consigamos ver. 
A noite foi longa entre, AMIGOS. Daqueles que o são realmente e em toda a sua essência. Amigos de há tantos anos, que já não conseguimos precisar quantos. 
Ontem, os meus 42 foram celebrados entre família. Aquela que se escolhe e que nos escolhe - os amigos. Ontem, acreditem, tive das melhores celebrações de aniversário dos últimos anos. Simples mas genuína. Com direito a dores de barriga e maxilares, de tanto rir. 
Ontem, não haveria farra, bar, arraial, o que quisessem, que por certo, nos trouxesse, foi ser mais modesta, me trouxesse, uma noite tão agradável e com AQUELAS PESSOAS.

Ontem, os meus 42 foram muito bem lembrados e celebrados.

A todos, o meu muito obrigada.<3 nbsp="" p="">
You made my day. ;)

sexta-feira, 21 de junho de 2013

hoje nasce...o verão

Não sou muito destas coisas, mas hoje apetece-me. E porque me apetece e o blog é meu, vou fazer.
E quem faz anos hoje?

Euzinha. a D.

Tenho é muito mais velas no bolo do que as da imagem.
Ah! E também começa o verão. Qual verão? Não sei, mas tenhamos esperança.
Ah! E também é sexta-feira.
Tenham um excelente dia.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

@ kidzania

Desde há alguns anos, não muitos, a esta parte, que assim que as princesas entram de férias, Kidzania com elas. Ou melhor, conosco.
Até hoje, era relativamente "fácil" a vinda, pois os bilhetes eram oferecidos pela empresa onde trabalhei, que é sponsor aqui do tasco. [Quando a empresa me dispensou, essa foi a grande questão das princesas - "então e agora? Já não vamos mais à Kidzania?"[
Este ano, pela primeira vez, a coisa correu diferente e a sponsor fui eu mesma. Sim, o anos passado ainda consegui umas entradas. Not too bad.
Mas estava prometido que cá viriamos todos os anos, desde que as aulas terminassem, e terminassem bem, por isso, cá estamos.
Bem sei que é um luxo, sem dúvida. No meu caso de adulto, pago [e pode-se dizer que bem], para estar ao computador, a ler, a ver TV, a passear, um dia inteiro. Mas tenho de cá estar e vale a pena.
A alegria, a excitação, as ideias a fervilhar, são de tal ordem, que até chega a cheirar a esturro dos neurónios tanto trabalharem. Como vão ganhar mais dinheiro; onde vão almoçar para não gastarem tanto; terem de ir ao MB levantar dinheiro para o almoço; etc, etc, etc. 
A mim, vêem visitar-me quase de  5 em 5  minutos. Entram porta dentro, já a transmitirem onde vão, de onde vieram, etc. Já tentei explicar que não precisam andar sempre a dar essa satisfação, mas a vontade de transmitir a alegria no que estão a fazer, é tal, que não adianta.
Fazem-me o almoço também. Hoje, tive direito a wrap de atum. Bom, por sinal.
Aqui estamos nós, em mais um ano, a tentar aprender um pouco mais sobre o que é a vida. O ter de trabalhar e ganhar dinheiro para se conseguir comprar comida, educação, saúde,  lazer e etc.
E porque a vida no real, é mesmo assim, este local é de tal forma fabulosamente inventado, que é uma grande alegria ainda conseguir ter capacidad€ de cá vir com as princesas [e neste caso, mais uma amiga], para as orientar a "Prepararem-se para um mundo melhor"

terça-feira, 18 de junho de 2013

lá fora, cá dentro

Lá fora, chove, está frio e faz muito vento. As alfaces, os tomateiros e as couves, estão a ser regadas automaticamente e a horas a que não estão habituadas. Espero que não estranhem muito nem virem "pseudo-nenúfares".
Cá dentro, joga-se

comentário fora de tempo, como o tempo

Eu, não gosto de comer sardinhas. 
Não é que não goste do sabor, até gosto, mas confesso aqui, não as sei comer e aquelas espinhas super fininhas, enfiam-se em tudo quanto é gengiva. Conclusão, não como.
mas não devem estar muito interessados nisso. Querem lá saber se eu gosto ou não de sardinhas. Também devem estar a pensar, que raio lhe deu agora.
Pois bem, o meu comentário, com alguma indignação, é sobre o preço da sardinha. Fui, com quem gosta de sardinhas, comer umas [não, eu não comi. não sei se já vos disse, eu não gosto de sardinhas. não é não gostar, é] a um pequeno arraial aqui perto de casa. Daqueles tipo comissão de moradores que se juntam e organizam o arraial. Ou ao estilo associação recreativa do local. Bem, seja o que for, as pessoas t~em muito trabalho, etc e tal. Mas pedirem 1,50€ por uma sardinha, eu fiquei um pouco para o engasgada.
Afinal, qual o custo por sardinha que roda aí pelo país?

quarta-feira, 12 de junho de 2013

a incerteza

A incerteza é a chamada treta. Neste caso falo da incerteza num futuro profissional.
Porque não há trabalho e porque o que há, as idades não correspondem à minha.
Não tarda, vou fazer 42. E sabem uma coisa que me apercebi? É que nem para lojista sirvo, pois já sou "velha". Querem malta nova, sem rugas de expressão tão pouco. E isto gera muita incerteza. O que será? O que irei fazer? Como vou arranjar como alimentar as minhas filhas?
Pois não sei. Não sei mesmo, mas fica aqui o desabafo.

terça-feira, 11 de junho de 2013

ai, ai...

ai, ai que vêm aí as férias e também já se instalou o mau tempo.
estou a ficar preocupada, pois por muito que se tente, é sempre difícil arranjar que fazer a todo o tempo, com duas crianças fechadas em casa, depois de um ano inteiro de escola. não é lá muito justo. elas merecem as férias merecidas. areia, mar, sol, jardim, parque-infantil, pic-nic, sei lá, toda uma imensidão de coisas que, com este tempo, não se proporciona muito serem feitas.
que fazer agora? 
deveria haver aqui um movimento de mães bloggers. daquelas cheias de ideias a brotar por todos os poros e  com filhos em período de férias e com mau tempo no ar.
espero que o tempo melhore muito e depressa.

domingo, 2 de junho de 2013

Som de fundo

O som das ondas e o barulho das crianças a brincar, daqui deste meu banco à sombra da natureza, dá-me uma paz de fundo.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

...

Com o amor é possível esquecer o passado e perdoar. Há algo de sublime na capacidade de dar uma segunda oportunidade. 


[cantinho]

Óh meu cantinho, que não sei por onde me tenho perdido, nem por onde tem andado minha vontade e tempo. Tempo, tanto que teria para falar sobre ele e tanta dúvida que teria para colocar sobre o mesmo.
Estás, meu cantinho, fixado na barra dos favoritos, mas teu icon tem pouco ou nada sido usado. 
Hoje, passei-lhe por cima e revi-te.
Tive de dar voltas à cabeça para relembrar a tua entrada. Assustei-me. Pensei... não. Perdi o acesso ao meu cantinho. Aquele que já me viu rir e chorar. Aquele que muitas vezes transpira palavras que não são exactamente aquelas que vão na alma, mas sim aquelas que são politicamente correctas.
Óh meu cantinho, que te tenho deixado ao abandono, sem que tenha qualquer explicação. Não, não te troquei pelo FB. Esse, também tem andado meio abandonado. Mas aí, as razões são outras. (Aquilo por ali, torna-se um meio um pouco  estranho, por vezes. Confesso-te, nem sempre tenho muita pachorra). Mas tu, não. Tu és diferente. Tu és aquele aconchego para a D. 
Aqui, tenho pessoas que não conheço, mas adoro. Pessoas que conheço e são fantásticas. E pessoas que de tanto que gosto de as ler, até parece que as conheço há anos. Claro, e também aquelas pessoas que por cá passam e nem sei quem são, nem que por cá passam.
Aqui, sou apenas a D. Desculpa cantinho, mas apesar de não andar por cá muito, nunca me esqueço que é aqui que escrevo aquilo que vai entre-linhas da vida.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

palmadinhas

Aqui, sentada na areia, observo o que me rodeia.
E as palmadinhas, continuam como dúvida há anos.
Tenho duas filhas que, como qualquer bebé e pessoa tinham de dormir.
Nunca fui de as embalar muito, nem fazer aqueles malabarismos que muitos pais fazem, para adormecer as crias. Tentem e fiz, desde sempre, que se habituassem a adormecer sózinhas. Resultou, optimo. Nada contra adormecer bebés, não. Aliás, tudo a favor. Só o que não consigo perceber, é porquê e para quê, algumas pessoas têm a mania de dar palmadinhas no rabiosque dos bebés.
Mas quem é que raio gosta de estar a tentar adormecer, relaxado e descontraido e de uma forma sincopada levar pequenos abanões no rabiosque.
P'a-mor-de-deus. Eu se fosse bebé, a cada palmadinha, soltava um gasinhos.
Mas isso sou eu, que tenho mau feitio.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

há resposta para tudo

Ir buscar as minhas filhas à escola e conseguir dar-lhes um acompanhamento mais presente, é uma das grandes vantagens desta minha situação. Não é comportável, mas aproveito cada segundo enquanto posso e sou obrigada a poder.
E giro que é, estar à porta da escola, à espera que as piolhas saiam e ouvir as conversas das outras crianças para os pais que os vão buscar. Penso logo "bem, afinal, não é só comigo".
As conversas são recorrentes e resumem-se a:
"Mãe, hoje posso ir a casa da..."? Muito querem estas crianças participar no convívio de casa umas das outras. 
E perante a resposta de uma mãe à sua filha: "mas hoje é terça. Dia de semana". Ouve-se a resposta "qual o problema, amanhã é quarta, dia de escola"!
Há resposta para tudo.

terça-feira, 16 de abril de 2013

[o rodrigo]

O Rodrigo, pelas piores razões, tornou-se já muito conhecido entre todos nós.
Dói no coração de qualquer um, principalmente num coração de mãe, ver o que, infelizmente, se está a passar com o Rodrigo.

Irá existir uma forma "simpática" e "divertida" de todos os que quisermos, tentarmos ajudar o Rodrigo. (Por certo, já todos conhecem, mas nunca é demais reforçar.)

Assim, cliquem no link e vejam o que a Cocó na fralda  (Sónia Morais Santos), juntamente com outras tão famosas blogers, estão a anunciar e promover.



quarta-feira, 10 de abril de 2013

[tempo vs tarefas]


Tempo vs Tarefas - T vs T um duelo terrível!

Existem momentos em que não consigo perceber como é que todo-o-tempo-do-mundo não me chega para fazer o que tenho a fazer.
Estando eu por casa, não deveria conseguir ter tempo para fazer tudinho? Pois! Hipoteticamente  sim. Mas na realidade, não.
Falta-me sempre fazer qualquer coisa. Ou é roupa que sobra, ou é pó que sobeja, ou é costuras que faltam, ou é comer feito a correr, ... enfim. Não percebo!

Vou ali ler um livro sobre gestão do tempo, pode ser que ajude.
Olha! Não posso. A máquina da roupa acabou de terminar a lavagem. 
Bom, tenho de ir estender a roupa (algures, que sol nem vê-lo) e depois, rumar às encomendas que tenho em mãos.
Muito bem, D. 
Tempo! Que acontece ao tempo e às tarefas todas que inventas!

terça-feira, 9 de abril de 2013

Uma história real

Partilho aqui um pedido de ajuda. Não tenho muitas palavras para falar mais, apenas, leia e quem tiver oportunidade e sentir que o deve fazer, ajudemos


O que a Luana necessita...

Uma amiga minha ( felizmente existem pessoas que são tesouros) propôs que eu faculta-se as necessidades actuais da Luana, eu por ela faço tudo, vou indicar o que necessito para a Luana.
Desde já peço que não venham para aqui a criticar-me, ou se o fizerem que não seja em anónimo.


 Luana usa fraldas a etapa 5 da marca branca pingo doce.
Toalhitas de marca branca Lidl,continente ou pingo doce.

Farmácia:
-Bebegel ou microlax criança
-Xarope Laevolac
-Cebiolon
-Protovit

Papas:
A Luana come qualquer papa que não tenha pedaços sólidos(tipo Estrelitas) se não engasga-se :
Costumo comprar papa para fazer com leite e outra para fazer com água ambas de marca branca.

Produtos de higiene:
Gel de banho da Aderma porque a pele dela é super sensível.
Creme gordo (uso Dove )
Shampoo Johnson

A nível de roupa :
A Luana veste a partir dos 7 anos e quanto mais confortável melhor , pois ela passa desde as 9 da manhã até ao deitar sentada na cadeira adaptada.
Calçado a partir do 27 dependendo do tipo de formato, e claro quanto mais confortável melhor. O pé direito já tem uma acentuada deformação.


Passando à parte lúdica

Uma coisa que a Luana adora e é capaz de passar horas a fazer é ver livros de histórias.
Para o computador já que ela tem um swicth adaptado necessita de vários programas :
Grid 2 Aqui

-Letras e palavras 
-Números da Mimocas
- A prender com os números
- Jogos do Ursinho
-o Jogo da Mimocas
-o comunicar com símbolos
-Escrita com símbolos  Aqui 

E para a Luana poder funcionar com alguns programas necessita do sistema de varrimento aqui

Quanto ao resto é preferível nem dizer porque são materiais adaptados extremamente caros...


Em meu nome e da Luana  
O nosso bem-haja pelo carinho que nos têm dado.

Se alguém quiser divulgar para poder ajudar-nos,nós agradecemos.

Importante :
Não posso abrir nenhuma conta para a Luana porque fico em risco de ser retirado o que recebo por mês do r.s.i. (230€)

Se quiserem entrar em contacto comigo:
laura_taborda@hotmail.com

domingo, 31 de março de 2013

cruzes

'tou fartinha, 'tou tão fartinha que até fico mal disposta com mais frequência.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Feliz Páscoa

Quero desejar-vos uma boa Páscoa. 
Eu irei ter uma, por certo, mas tenho saudades das princesas que quiseram ir de férias com os avós para a terra. queriam ver as tias, como elas dizem. 
Eu, devido ao relatório para terminar o curso, não conseguia ir com eles. Ainda pensei ir só de sexta a domingo, mas era complicado (sim, afinal  não é propriamente aqui ao lado). 
Mas deixei-as ir, sim. Deixei porque acho muito importante o criarem estes laços com a terra dos avós. Com a família dos avós que ainda lá está. E principalmente, porque acho que é muito importante esta cumplicidade que elas e os avós (mais com o avô), conseguem criar. Na "terra" há coisas novas, costumes diferentes, histórias de vidas que aqui, na chamada metrópole, não temos. 
Também eu em criança ia passar as férias à terra. Também eu adorava andar com as tias para trás e para a frente, ganhar amêndoas de todos e ser "babada" pelos beijos dos mais velhos. [aqui, lembro muito bem, que limpava o rosto nos ombros!!...] 
Mas era apaparicada. Era a menina. Faz parte de nós. Faz parte da nossa vida.
E elas lá foram. Sempre que lhes ligo, andam a fazer algo. 
Estão felizes, mas com saudades. O que também é bom.
Acho e sempre achei, que o que importa não é a quantidade, mas a qualidade.
O que eu adoro as flores que nascem nesta época. São tão lindas, perfumadas e com ar tão gracioso.

terça-feira, 26 de março de 2013

ora qu'esta

Este computador tem cada uma. 
Agora diz-me assim "Limpe a cache e os cookies e, em seguida, tente novamente."

Então mas, cache já praticamente não tenho e sem cache não há cookies. 
Afinal, que quer ele que eu faça??


segunda-feira, 25 de março de 2013

[facto-irritante]

Porque será que, por norma, as pessoas alegres e bem dispostas são tidas como malucas?

quinta-feira, 21 de março de 2013

O frio e as contas

Ou o tempo me ajuda e melhora, ou qualquer dia não tenho dinheiro para pagar a EDP. Não é uma questão de riquisse é uma questão de necessidade.
Rais-parta a conta da luz.

sábado, 16 de março de 2013

por aqui e por ali

Tenho saudades de andar por estes lados. De vos ler, aos que me lêem e aos que nem sabem quem sou.
Mas a verdade é que pouco tenho conseguido. 
Ando aos pinótes com o trabalho final para terminar aquele curso que dei início e vos falei aqui. Foi uma aposta. Daquelas que fazemos, como quando entregamos dinheiro para nos darem um boletim de euromilhões. Só no final, saberemos se gastámos bem o dinheiro ou não. 
Aqui, é mais ou menos isso, também. 
Mas lá ando entre papeis e teorias (blá, blá, blá whiskas saquetas) e coisas mais práticas e interessantes. Claro que dá trabalho. Despendem-se muitos minutos entre caracteres e apaga-se algumas vezes. Lê-se o parágrafo e relê-em-se os sinónimos. Enfim. Faz parte destes períodos de vida. Faz parte deste tipo de estudos. Faz parte do apostar-se em algo mais por nossa conta e risco.
E por isso, não me consegui ainda organizar o suficiente, para chegar a todo o lado. Ah, sim, porque também tenho andado (confesso que nos últimos dias e até a apresentação do trabalho, não muito - não posso. não devo) por aqui.




Mas faz falta andar por aqui e por ali. <3 p="">

quarta-feira, 6 de março de 2013

[cumplicidade]

"As definições de amor, amizade, cumplicidade, carinho e paixão, não se aplicam a nós, somos muito mais que isso, estamos muito além das meras definições mortais... praticamente nada, entre nós pode ser explicado, por simples palavras...

Sentimos o que o outro sente, pensamos o que o outro pensa, se um está triste, o outro sabe, se um está alegre o outro está também, nos ajudamos, nos curamos, nos sentimos a todo instante, compartilhamos tudo, não importa o quão longe estejamos um do outro, estamos juntos, sempre e para sempre...
não importa o que aconteça, seu anjo estará sempre perto, não importa a distância estou sempre ao seu lado, não importa o quão triste estejas, estou aqui para te trazer felicidade e te levar para um mundo só nosso onde não existe tempo nem barreiras para que possamos viver..."

A cumplicidade, faz(-me) falta.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Bom domingo, pelo menos assim espero

Hoje é domingo. Está um tempo tristonho. Céu forrado e sempre a chover. Triste o dia, onde até as flores mais belas, se encontram com as pétalas murchas e a chorar, como um bebé que não sabe da mãe.
E eu estou como o tempo. Cinzento. Claridade estranha, que magoa. Dia onde não apetece ouvir, quanto mais falar. Dia onde tudo o que me atormenta, vem à tona e se revela por palavras duras e por vezes inapropriadas. Dia em que, não vale a pena, não consigo ter pachorra para pessoas. Dia em que me pergunto, como é que há, quem diga gostar tanto de pessoas. Eu não!
Não adianta. Dia triste, mal dormido, vazio, zangado. Dia que lhe falta um raio de força que me dá energia e cola um sorriso na minha boca e uma gargalhada na minha alma.
Hoje, estou só. Mas vindo o sol, albergo o mundo inteiro em meu coração.
Bom domingo, pelo menos assim espero.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

por onde andas?

Hoje, resolvi passar por aqui, para vos dizer que ainda estou viva. 
Sim, eu sei, as más notícias correm depressa, por isso, se algo me tivesse acontecido, vai na volta já sabiam.
Mas não. Estou bem de saúdinha. 
Tenho andado ocupada entre as minhas costuras, o trabalho de avaliação do ruído para terminar o curso de técnico superior de segurança e saúde no trabalho, que já vos tinha falado há buééé, como diriam as pipoquinhas e também, a orientar as minhas vendas como assessora Oriflame (podem espreitar ) e se esclarecer alguma dúvida, ou até, quem sabe, serem assessoras, estou disponível. 
De resto, tem sido esta a minha vida, entre estas tarefas e as tarefas de mãe. 
Mas confesso, tenho já saudades de aqui estar convosco. De ver as vossas novidades, que ultimamente nem isso tenho feito muito.
Espero que estejam todos bem e obrigada por ainda cá virem ver se estou viva.
Kissinhos

agora vou ver o que andam a fazer e como estão os bebés e gravidezes desta blogoesfera. :)

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

e repete-se

Passo a vida, quase, (ok, sou exagerada), a comer bolachas moles, daquelas que ficam por aí e que depois, as lagartixas, que devem ser finórias, não lhes pegam. E eu, toca de comer estas coisas já moles. 
É cá uma sina que se repete, repete.

Também vos acontecer tal proeza?

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

e no café e da simpatia

Três senhoras, por volta dos 50 anos e um senhor aí dos seu 60, conversam enquanto tomam o café.
Diz uma das senhoras, que este ano, no verão, vai aos estados unidos visitar a família.
O senhor informa que para ele não dava porque tem medo de andar de avião, ao que a dita senhora complementa dizendo que também tem algum.
Remata o senhor dizendo:
- Faz bem ir, antes que morra.
Simpatia, não?

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

passado - tempo verbal

Do passado tenho as boas e belas recordações, que me mantêm muitas vezes forte ao lembrar todas as belas coisas que aconteceram na caminhada da vida. Com uma atitude positiva, e não uma visão negra de tudo o que poderia ter sido mas não foi porque por certo não tinha de ser, é mais fácil dar um salto e ir mais além, passar fronteiras de dificuldades e sorrir perante a adversidade.
Pelo menos e no mínimo, mantém-me o meu presente mais sorridente e feliz, como o passado.

Um dia cheio de paz.



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Novo passo

Entrei agora num novo mundo e num novo desafio.
Sou assessora da grande empresa de venda por catálogo Oriflame. 
Sempre gostei muito de de aprender sobre beleza e cosmética, passando por vezes algum tempo nas perfumarias, a ouvir pequenas explicações sobre vários produtos. Agora, tenho a oportunidade de estar metida neste mundo, tentar aprender algo e passar a mensagem e os magníficos produtos.
A Oriflame é uma empresa Suéca com cerca de 45 anos já implementada no mercado. 
Para além de que os Suécos são conhecidos pelo seu desenvolvimento cientifico, têm respeito pela natureza retirando dela tudo de melhor que esta nos pode oferecer. Assim, a Oriflame desde sempre que respeitou a Natureza e acreditou na beleza que ela pode proporcionar. Muitos dos ingredientes utilizados nas fórmulas dos cosméticos são derivados de frutas, flores e plantas, e o design consegue combinar simplicidade com funcionalidade, elegância e respeito pelos recursos naturais recorridos para os obter.

Uma das coisas que muito me agrada também nesta marca, é o respeito ambiental e social desta marca. A Oriflame, é co-fundadora da World Childhood Foundation, dedicando parte do seu tempo a ajudar causas sociais em todo o mundo.
E foi aqui neste universo que agora dei entrada. 
Quero ajudar a que todos conheçam e possam fazer parte deste mundo de beleza, mas também, crescer pessoalmente nesta altura em que tantas interrogações e exclamações se apresentam à nossa frente.

Já sabem, minhas queridas e queridos leitores, se alguém estiver interessado em saber mais, contacte-me. 
Muito obrigada pelo vosso carinho.
Beijoquinhas